2

Pacificação...





Pois é... o tempo passou e eu sumi. Me perdoe... Ando levando bronca de algumas pessoas por tanto tempo ausente, mas volto feliz e prometo não ficar mais longe assim, rs!

Nas cenas do último capítulo estávamos meio sem rumo...
Nós ainda estamos esperando por nossa casa. Estamos num espaço pequenininho, mas muito gostoso até mês que vem, e temos visto a bondade de Deus nos cercando a cada dia.

Nessa nossa fase de transição estamos vivendo momentos inéditos e uma experiência com efeito prolongado. Estamos muito juntos, juntos demais até, para o meu gosto solitário, rsrs.
Crianças na hora do dever: um de cada lado e eu tentando participar da tarefa dos dois.
Televisão: Todos no mesmo sofá disputando entre jogo, desenho e alguma coisa mais interessante (do meu ponto de vista, claro).
Hora do banho: "Par ou ímpar" pra quem ganha a vez...

E assim, vamos nos 'encarando' como nunca; e nossas diferenças, gostos e temperamentos se ressaltando de forma volumosa.
Mas sabe, fora o lado estressante e cômico de tudo isso, tem um detalhe que tem me despertado: o 'prestar atenção', o 'perceber mais de perto' o quanto fugimos ou lidamos um com o outro enquanto família.

Familia é isso -  pessoas diferentes, em fases pessoais e únicas, em buscas contrastantes, em sensações particulares, aprendendo a arte da convivência e o dom do relacionar-se.

Tenho me concentrado em pacificar-me.
Buscando não mais mudar meus filhos à minha imagem e semelhança, mas aceitá-los, ampará-los e aconchegá-los como são, sem alterá-los para me satisfazer. Árdua essa tarefa, sou mandona demais, rsrs
Olhando para o meu marido, vejo de forma intensificada, o quanto somos diferentes, reagimos e nos portamos diferente em tantas questões, e isso certamente o incomoda e me  incomoda mais do que gostaríamos... mas fato é  que precisamos lembrar principalmente de 2 verdades:

* Pessoas não são para serem mudadas, mas para serem aceitas e potencializadas em sua essência.
* Nunca se pode deixar no altar do essencial, o que é formato: Por trás de aborrecimentos cotidianos, existe uma história... existe um vínculo inquestionável, existe um dividir a vida, o tempo, os problemas, os dilemas, as alegrias, o crescimento, a maturidade, as conquistas... dividir o que nós somos e o que os outros são.

Sem atropelos, 
Sem tentar enfiar uma outra pessoa dentro daquela que temos do lado, 
Sem violentar o caráter dos filhos, 
Sem esperar de um ser humano aquilo que só Deus pode conceder.
Sem atribuir a ninguém minhas questões mal resolvidas...
Sem lançar fardos pesados nas costas de quem nos quer bem.

Nada disso é simples, e mesmo sem querer, me pego vez por outra, fazendo tudo que condeno... 
Numa dessas manhãs, corri com café, tarefa e almoço, para as crianças não se atrasarem para escola. Já quase na hora do transporte escolar passar, o Joshua ainda estava de meia e eu brava fui colocar o tênis dele. Não conseguia desfazer o nó no cadarço e esbravejei: "Quem foi o idiota que amarrou esse tênis assim?" (horrível isso). Joshua abriu os olhos e preocupado com a resposta mais sem deixar seu lado cínico se intimidar, respondeu: "Não teria sido você ontem?"
 Caí na risada e pensei: sou mesmo idiota de ficar tão irritada com   tão pouco...

Nosso excesso de convivência e o "esbarramento" um no outro, tem me feito esbarrar em mim  mesma... difícil esse encontro, rs

Quando começamos a gerar em nós o ato de soltarmos as cordas do pescoço do outro, é incrível, parece que estamos afrouxando nossa própria garganta, e assim vou aprendendo que não existe família perfeita, mas há relacionamentos pacíficos em Deus!

Que o Pai abençoe abundantemente você e sua casa!

2 comentários:

IARA AQUINO

Márcia achei sensacional essa história porque só assim nos identificamos uns com os outros. Acontece exatamente assim. De 2009 para cá minha vida deu uma virada no sentido de não conseguir mais trabalhar. Por estar com síndrome do pânico, saí completamente da vida que levava (advogada) para dona de casa... Ufa!!! Hoje me questiono se tudo isso ocorreu para eu valorizar as coisas simples... Será? Estou aguardando Deus me dizer. No momento é só silêncio. Beijos Iara Aquino. IECP(Piedade)

Márcia Slemer

Iara,
que bom minha irmã ler o que escreveu e saber que de, alguma forma, você está descobrindo um novo tempo na sua vida!
Não é simples, muito menos fácil, mas a verdade é que tudo isso nos leva além com o Senhor!
Minha oração por vc, é que o Pai te cerque por trás e por diante e sobre vc, coloque suas mãos!
(Salmos 139)
Um beijo com carinho,
Marcia

Postar um comentário