3

A caminho de casa...

Depois de uma longa, dolorosa, e profunda experiência, finalmente havia a perspectiva de voltar pra casa... faltava só a última cirurgia (colocar um pino no cotovelo direito) e depois, minha vida de volta!!!
Eu só queria ir pra casa... fui mais uma vez para o bloco cirúrgico como se estivesse indo pra uma festa, tamanha era minha ansiedade de sair do hospital! Só não foi uma festa quando acordei da cirurgia... meu amigoooooooooooooooo, cirurgia ortopédica dói muuuuuuuuuuuiiiiiiiiiiiiiiiiito! Os primeiros dois dias foram terríveis, somados a toda a fragilidade do meu corpo, eu mais parecia uma idosíssima com seus 100 anos de estrada!

Quase dei no médico (Dr. Eid, o cara), quando ele entra todo posudo no meu quarto dois dias depois e me manda coçar o nariz... o que significava que eu teria que dobrar o cotovelo! Eu me lembro de responder: "só se for pra coçar o seu", o que não me custaria dobrar o cotovelo... kkk... fiquei rindo da cara amarela dele e muitos meses depois, eu ainda estaria no seu consultório. Detalhe: toda vez que eu entrava, ele perguntava com cara de impressionado: "quem foi mesmo que morreu no seu acidente?" Ninguém merece! Depois da quarta vez eu já entrava dizendo: "Morreram meus pais, minha tia e meu primo, antes que o senhor pergunte..." e assim nos tornamos bons amigos! Toda vez ele também me dizia que eu comemorasse no dia do meu aniversário e no dia do acidente... levei ao pé da letra... vivo comemorando a Vida! (Não perca de vista a sugestão do Dr. Eid, ela vale pra você também! rs)

Mais uns dias e, finalmente, ALELUIA, nem acredito... estou de alta??? Enquanto os preparativos eram feitos pra minha liberação, (assinatura de papéis, receitas médicas, etc), eu "mordia a parede" e tinha vontade de jogar aquele calhamaço pela janela, só pra sair pela porta e descer o elevador!
Lembro de todos os detalhes, exceto a cor da camisola... rs

Tudo pronto, meu marido pega a cadeira de rodas que nos foi doada, o enfermeiro cuidadosamente me ajuda a sentar, meu cunhado Ranieri estava lá e nos ajuda com a "minha mudança", meu marido feliz faz uma oração de gratidão ao Pai ainda no quarto... e se não fosse minha incompetência de mexer qualquer membro, teria saído do quarto como criança balançando as pernas!!!

Era sábado...
Até hoje, amo o sábado...
Estava um lindo dia de sol e finalmente descemos o elevador e fomos para o carro...
Meu cunhado dirigia e eu não quis ir na frente, o Rodney então foi ao lado do irmão e eu fui atrás, nenhum dos dois notou (e nem podiam), mas eu estava exatamente no mesmo lugar do acidente a primeira vez que entro num carro de novo. Fazer essa "conexão", me fez chorar baixinho no banco de trás... mesmo que eu não quisesse, todo o contexto do acidente fluía da minha mente...
Era estranho andar pelas ruas de São Paulo, parecia que eu não mais pertencia aquele lugar...
Entramos em Interlagos e pertinho de casa, vi meu marido falar no celular que estava chegando e não imaginei coisa alguma.

Quando entramos na rua de casa, pude ver minha casa, que era de esquina e senti um impacto dentro do peito. Eu teria essa mesma visão, mas junto com minha família... há uns bons dias atrás... agora eles estavam enterrados, eu toda "remendada", com cicatrizes profundas no corpo e na alma! Disse isso silenciosamente pra Deus... "tudo era pra ser tão diferente Senhor!" ... E novamente as lágrimas me denunciavam!

"O que é aquilo?"
Havia uma faixa enorme, de ponta a ponta da minha casa que o Rodney e meus irmãos (Marcos e Paulinho) haviam colocado. Era uma expressão de gratidão a Deus pelo milagre de me trazer de volta e uma linda declaração de amor! Como se não bastasse, os dois estavam do lado de fora e quando reconheceram o carro, começaram a soltar fogos... parecia final de campeonato...

QUE MOMENTO LINDO! QUE ABRAÇO DO PAI!!!

Jamais esquecerei aquele sábado...
Me lembro da expressão de felicidade deles, os olhos radiantes...
me lembro de uma enfermeira querida da igreja me esperando em casa (ela queria me dar sopa e eu queria feijoada), fizemos acordo e eu comi um franguinho com legumes que ela me deu na boca...

Me lembro dos três patetas estarem de um lado pra outro da casa atrás de mim...
me lembro que eu mal podia sentar, e novamente eu repito: eu parecia uma velhinha de 100 anos, - mas sem os enfermeiros hábeis - agora tinha o adendo que eu parecia uma velhinha de 100 anos que acabara de cair da escada...rsrs

Eu não era capaz de fazer coisa alguma sozinha, nada mesmo...
não tinha "serventia" nenhuma...
estava imprestável e cheia de marcas, sequelas pelo corpo todo...
Mas ainda assim eles me amavam!
Ainda assim eles me queriam!
Ainda assim eles festejavam a minha chegada,
Ninguém colocou em xeque minha incapacidade,
Ninguém pôs em dúvida o meu mérito...
Bastava que eu estivesse em casa de novo!
Permita-me te dizer:
Ninguém chegará na presença do Pai intacto...
Ninguém passa imune pela vida...
Ninguém é auto suficiente...
No decorrer da nossa jornada, vamos acumulando cicatrizes, marcas, sequelas...
Mas sabe o que importa para o Pai?

QUE VOCÊ CHEGUE EM CASA!!!

Mesmo marcado, mesmo sofrido, mesmo sequelado...
E isso não fará diferença...
Ninguém questionará suas cicatrizes...
Haverá uma grande festa e muita celebração pela sua chegada!
Porque para Abba, basta a presença do filho!
Do filho amado, desejado, esperado ansiosamente!!!

Por isso meu querido,
nunca se esqueça que você está a caminho de casa,
e mesmo cansado, flagelado, apenas prossiga, apenas resista, apenas continue caminhando nas suas forças, confiando em Jesus, dependendo Dele, sua força!

"... E LEVANTANDO-SE, FOI PARA SEU PAI. VINHA ELE AINDA DE LONGE, QUANDO SEU PAI O AVISTOU E, COMPADECIDO DELE, CORRENDO, O ABRAÇOU E BEIJOU!..."
(Lucas 15:20)

Você consegue vislumbrar o Todo- Poderoso vindo ao seu encontro... correndo, te abraçando e, permanecendo aconchegado a você? Consegue vê-lo te beijando e olhando nos seus olhos... e dizendo: "Filho que saudade de você! Venha, você agora está em CASA!!!" ... Abba é assim, Ele é AMOR!

Lembre-se: Não importam as marcas, importa apenas você!

Lembre-se: Você ainda não está em casa, está a caminho dela, portanto...

CONTINUE CAMINHANDO, ou como diz a Dolly do desenho "Procurando o Nemo": "CONTINUE A NADAR, CONTINUE A NADAR..."

3 comentários:

Wania & Mark Honman

Que lindo amiga, consigo imaginar voce chegando em casa, nossa que emocao, que maravilha, que milagre!!! Isso ai.... vamos continar caminhando, ainda nao chegamos em CASA! beijos love you..

Rose

Sua amiga tem razão dá pra "ver" em detalhes a sua narração!!Eu quase ouvi os fogos!!!!!rrss

nunes.07

Minha irmã, foram dias tão difíceis, que qualquer ser humano julgaria impossível o domínio emocional. Só temos que erguer as mãos para o céu pq temos Abba do nosso lado e que através do Espírito Santo nos remete a coisas grandiosas que não conseguimos por nós mesmos!
Como vc disse, a euforia de te receber foi intensa, e foi bom vc nos lembrar que o Pai nos espera da mesma maneira! Te amo!!

Postar um comentário